20 de julho – Dia do Amigo: amizades em épocas de redes sociais

20 de julho – Dia do Amigo: amizades em épocas de redes sociais

O Dia do Amigo, celebrado em 20 de julho, foi instituído com o objetivo principal de celebrar a amizade e incentivar o sentimento de fraternidade entre os ciclos de relacionamentos e povos de diversas nações.

A criação do Dia Internacional da Amizade, ou o Dia do Amigo ficou conhecida mundialmente como Dia da Amizade na Argentina, por causa do médico argentino Enrique Ernesto Febbraro.

Inspirado na chegada do homem à lua, em 20 de julho de 1969, ele enviou cerca de quatro mil cartas para diversos países e idiomas, desejando instituir o “Dia da Amizade. Febbraro considerava a chegada do homem à lua a demonstração perfeita de que, se o homem se unisse com seus semelhantes, não existiriam objetivos impossíveis.

Na época, a comunicação entre amigos que morassem em países diferentes só poderia ser por carta ou ligação telefônica. Hoje, com o celular e as redes sociais, não só a comunicação ficou mais fácil, como também fazer amigos, tecnologicamente falando. Mas o mesmo aparelho que pode unir, também pode levar ao isolamento.

Um estudo da Universidade de Medicina de Pittsburgh, nos Estados Unidos, mostrou que quanto mais tempo se gasta nas redes sociais, mais propensas essas pessoas estão a sentir solidão e se isolar socialmente.

O estudo ainda constatou que quem usava mídias sociais mais de duas horas por dia tinha o dobro das probabilidades de isolamento social quando comparado aos colegas que passavam menos de meia hora conectado por dia.

Em 2022, segundo o relatório “Digital in 2022: Brazil” da Hootsuite e We Are Social, os brasileiros passaram em média mais de dez horas por dia na internet, sendo três horas e 41 minutos nas redes sociais. “Embora as redes sociais possam conectar as pessoas virtualmente, seu uso excessivo pode levar ao isolamento social no mundo real. A dependência das redes sociais pode prejudicar as interações sociais face a face, levando a problemas de saúde mental, como solidão, depressão e ansiedade social”, explica Jair Soares, presidente do Instituto Brasileiro de Formação de Terapeutas (IBFT).

daniel

daniel