Parque Nacional do Itatiaia tem novidades no serviços de apoio ao turista

O contrato de concessão de serviços de apoio à visitação do Parque Nacional do Itatiaia, na região das Agulhas Negras, foi assinado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) na quarta-feira, 6, em solenidade realizada no centro de visitantes da unidade de conservação. A empresa Hope Recursos Humanos foi a vencedora da licitação e vai assumir os investimentos e operação dos serviços por 25 anos.

De acordo com o edital, cerca de R$ 17 milhões serão aplicados no parque com o objetivo de melhorar a recepção dos visitantes. Entre os serviços previstos, estão os de transporte no interior da unidade de conservação; a criação de espaços e serviços de receptivo com postos de informação e controle; serviços de alimentação, comércio, hospedagem e atividades de aventura dentro do parque; além do gerenciamento da visitação, venda de ingressos e controle de estacionamentos.

“A concessão traz competitividade ao turismo de natureza no Brasil. Temos recursos difíceis de reunir em um só país, mas ainda não conseguimos capitalizar isso, transformar em resultado. O programa de parcerias público-privadas está totalmente alinhado ao compromisso do Ministério do Turismo com a promoção, a defesa e a conservação do patrimônio natural brasileiro”, reforça o secretário de Integração Interinstitucional do Ministério do Turismo, Bob Santos.

O parque do Itatiaia é a 7ª unidade de conservação a ter os serviços de visitação explorados através de concessão pública. Os parques nacionais do Iguaçu (PR), Tijuca (RJ), Serra dos Órgãos (RJ), Fernando de Noronha (PE), Pau Brasil (BA) e Chapada dos Veadeiros (GO) já operam sob o regime de concessão à iniciativa privada. Outras quatro unidades de conservação estão sendo preparadas para a concessão de serviços de apoio aos visitantes.

A iniciativa irá aprimorar a oferta de produtos e serviços ao turismo nos parques brasileiros, que atualmente recebem 10,73 milhões de pessoas por ano. Essa movimentação contribuiu para a geração de 80 mil empregos e injeção de R$ 2 bilhões nas comunidades de acesso aos parques. Deste valor, R$ 613 milhões foram registrados pelo setor de hospedagem e R$ 432 milhões pelo setor de alimentação, dado que revela a importância econômica do turismo para as cidades que são portões de entrada dos parques nacionais.

Com informações do Diário do Vale

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *