Reunião discute fortalecimento do APL de Cachaça do Vale do Café

Com o título de terceiro maior exportador de cachaça, em valores financeiros e volume, o estado do Rio de Janeiro têm dado novos passos rumo ao fortalecimento do Arranjo Produtivo Local (APL) de Cachaça do Vale do Café, formalizado em maio deste ano. Reuniões periódicas promovidas pelo Governo do Estado, por meio da subsecretaria de Indústria, Comércio, Serviços e Ambiente de Negócios, estão sendo realizadas para qualificar os produtores locais interessados. 

O APL tem como objetivo fortalecer e adensar a cadeia produtiva da cachaça na região, por meio de políticas estruturantes baseadas em tecnologia, inovação e turismo. Entre os temas abordados nos encontros do APL estão a identificação de demandas, a adequação de alambiques, política tributária e valor agregado ao produto, entre outros assuntos.

“Formalizamos recentemente o APL da Cachaça. Iniciamos nossas ações pelo Médio Paraíba, região que concentra muitos produtores desta bebida internacionalmente conhecida. O estado tem um grande potencial neste setor. É uma cadeia muito rica que pega desde o agronegócio, com a produção da cana de açúcar, até o balcão do bar. Estas palestras técnicas têm a intenção de ampliar as possibilidades desta bebida de origem nacional”, explicou o subsecretário de Indústria, Comércio, Serviços e Ambiente de Negócios, Celso Marcon.

Segunda reunião técnica

Nesta quinta-feira (4), na Universidade de Vassouras, o Governo do Estado promoveu a segunda reunião técnica do APL de Cachaça. O evento contou com a participação de técnicos da EMATER que discutiram o plantio da cana de açúcar e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), entre outros parceiros. O encontro teve o apoio também da secretaria municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo e do Sebrae-RJ.


Vale do Café
é principal polo produtor de cachaça no estado do Rio.

O principal polo produtor de cachaça no estado do Rio de Janeiro é o Vale do Café, no Médio Paraíba. Na Região da Costa Verde, também há produção da bebida. No total, o estado produz 332 rótulos da aguardente. De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), os produtores fluminenses venderam US$ 1,71 milhão para o exterior em 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *